1. Ser mãe
  2. Recuperando-se do parto
  3. Problemas no pós-parto

Padrões de verificação de fatos do Flo

Todo o conteúdo do Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

Quatro justificativas médicas para ter sangramento após relações sexuais pós-parto

Uma das coisas que podem estragar a tão desejada primeira relação sexual pós-parto é o sangramento. O mais provável é que seja apenas parte da sua recuperação, mas ele também pode indicar alguns problemas de saúde graves. Veja as quatro explicações médicas mais comuns para o sangramento após o sexo pós-parto.

Toda mulher apresenta sangramento após dar à luz. Essa é a maneira do corpo se livrar de muco, sangue e tecido uterino e se recuperar do trauma. Geralmente, o sangramento se mantém de quatro a seis semanas após o parto. Durante os primeiros dias do pós-parto, haverá um fluxo intenso com sangue vermelho vivo e coágulos de sangue.

Depois disso, o fluxo de lóquios diminui e passa a ter uma cor castanho-rosada. Enquanto o lóquio não chegar ao final, seu colo do útero ainda permanecerá aberto. Esse também é um sinal de que o útero ainda não está completamente cicatrizado. Isso torna você mais vulnerável à infecção vaginal após o parto.

Às vezes, o sangramento para por alguns dias e depois recomeça. Isso faz parte do processo de cicatrização, mas significa que você ainda precisa de mais tempo para voltar ao seu estado normal. 

Os médicos aconselham aguardar até que os lóquios acabem totalmente antes de retomar o sexo com penetração. A maioria dos médicos aprova a masturbação e o sexo oral poucos dias após o parto. Quanto ao sexo, o melhor é esperar até a consulta de seis semanas após o parto, em que o médico pode verificar como anda sua recuperação e liberar essa prática. 

Fazer sexo após o parto pode ser complicado. Há muitos fatores a serem levados em conta, como a recuperação física do parto, seu estado emocional, seu desejo sexual, sensibilidade ou dor nos seios, ou simplesmente estar se sentindo "diferente lá embaixo". Fazer sexo após uma cesariana apresenta seus próprios desafios, e você pode achar que está demorando mais do que o esperado para se sentir pronta novamente. Existem muitas dificuldades pós-parto que podem afetar a sua capacidade ou desejo de fazer sexo, e isso é normal. 

Mantenha uma comunicação aberta e honesta com o seu parceiro e explique como você está se sentindo antes de começar a fazer sexo novamente. Se você não estiver pronta, não conseguirá relaxar durante o momento de intimidade. Você pode contrair os músculos vaginais, o que pode causar ferimentos e sangramento.  

Mesmo que você se sinta pronta e o sangramento tenha parado logo no início, pode não ser uma boa ideia voltar à rotina cedo demais (como fazer sexo três semanas depois de um parto que precisou de pontos, por exemplo). Dê ao seu corpo o tempo de recuperação necessário; não se apresse em fazer sexo com penetração cedo demais. Em vez disso, concentre-se no “sexo sem penetração” e explore outras formas de ter intimidade com seu parceiro. 

Digamos que tudo esteja em ordem: ambos se sentem prontos, seu corpo está recuperado e o desejo está presente. Você ainda pode sangrar nas primeiras vezes que fizer sexo após o parto. Um pouco de sangramento e desconforto é totalmente normal. Isso significa que pode haver tecido cicatricial dentro ou em torno da vagina, que suavizará com o passar do tempo. Mas talvez seja melhor ir devagar no começo. O útero também é uma possível fonte de sangramento durante o sexo pós-parto. O orgasmo provoca uma contração no útero, o que pode causar sangramento se ele não estiver completamente recuperado. 

Não entre em pânico se vir sangue após a relação sexual pós-parto. É mais provável que o sangramento pare logo depois. Se o sangramento for intenso ou se não parar depois de um ou dois dias, ligue para o seu médico.

A falta de lubrificação é um problema muito comum no pós-parto. Antes e durante a gravidez, você pode não ter passado por isso, pois seu corpo produziu naturalmente a lubrificação necessária. Agora, o ressecamento vaginal pode estar afetando seu desempenho sexual mais do que você imagina. 

Essa secura é especialmente comum em mulheres que estão amamentando, uma vez que seus níveis de estrogênio estão mais baixos do que o normal. O estrogênio desempenha um papel importante na lubrificação vaginal e, por isso, as lactantes podem precisar de ajuda extra nessa área.

Um lubrificante à base de água pode evitar muitos desconfortos desnecessários durante o sexo pós-parto. Não tenha medo de usá-lo generosamente: ele existe para garantir que tudo corra bem!

Se tiver pontos de laceração, episiotomia ou cesariana, você pode estar mais predisposta a ter sangramento nas primeiras vezes que fizer sexo no pós-parto. 

Os pontos geralmente se dissolvem no prazo de 10 a 14 dias. Na maioria dos casos, as incisões de episiotomia cicatrizam em um mês, mas é melhor consultar seu médico antes de começar a fazer sexo novamente. 

Seu corpo já passou por muita coisa, por isso não há motivo para adiar ainda mais o processo de cicatrização. Veja abaixo algumas dicas para ajudar a se recuperar o mais rápido possível para que você possa retomar logo suas atividades (sexuais)! 

  • Esqueça o papel higiênico! Faça o que fizer, mantenha o papel higiênico longe da vagina, períneo e ânus por uma ou duas semanas após o parto. Encha uma garrafa de esguicho com água à temperatura ambiente. Utilize-a para se lavar durante e após a micção. Para uma limpeza mais completa depois de evacuar, tome um banho rápido (e suave).  
  • A aloe vera e a hamamélis são suas melhores amigas. Aplique um gel de aloe vera e hamamélis em um disco ou chumaço de algodão. Coloque-o entre suas partes íntimas e um absorvente higiênico para um alívio instantâneo. 
  • Tome um amolecedor de fezes. Não há nada mais assustador do que a primeira evacuação após o parto. Você quer que o processo seja o mais fácil e indolor possível, então peça ao seu médico para passar um amolecedor de fezes e uma dieta especial que evite a prisão de ventre e pressão nessa área tão delicada. 
  • Consuma bastante ferro. Ele ajuda a repor o sangue, o que é fundamental nos casos de sangramento durante muito tempo. Coma muitos alimentos ricos em ferro, como verduras, leguminosas e carnes. 
  • Tome um banho de banheira. Faça banhos de assento mornos algumas vezes por dia, durante uma ou duas semanas após dar à luz. A água alivia o desconforto e mantém a zona íntima limpa, diminuindo o risco de infecção. 

É normal sentir um pouco de dor nas primeiras relações sexuais após dar à luz. Felizmente, existem maneiras de contornar isso para que você possa focar na emoção de voltar a ter intimidade com o seu parceiro. Veja abaixo algumas dicas que a ajudarão a ficar confortável quando retomar a atividade sexual após o parto. 

  • Siga as recomendações do seu médico. Claro que sempre haverá aquela amiga que diz "Nós simplesmente não conseguimos esperar! Fizemos sexo duas semanas após o parto e foi incrível!", mas você pode tomar decisões mais sábias. Não vale a pena correr o risco de ter ferimentos ou infecções. Se o seu médico disser para esperar por seis semanas, espere seis semanas! 
  • Providencie um lubrificante. A lubrificação vaginal no sexo pós-parto é extremamente importante. Um lubrificante à base de água será o seu melhor amigo quando voltar à atividade sexual. 
  • Vá com calma. O que proporcionava prazer a você antes do parto pode não ser a mesma coisa – na verdade, pode até causar muita dor. Pode levar algum tempo para você (e mais ainda para o seu parceiro) redescobrir o seu corpo. Se algo causar dor, experimente posições diferentes para evitar os locais sensíveis. Obviamente, não apresse a penetração e sejam delicados no início. 
  • Seja um livro aberto. É importante que seu parceiro saiba exatamente o que está passando na sua cabeça. Caso se sinta insegura, fisicamente desconfortável ou pouco excitada, é fundamental que seu parceiro entenda o que está acontecendo. 
  • É importante que você esteja excitada antes da penetração. Certos hormônios são liberados para ativar a lubrificação e relaxar os músculos vaginais. Isso pode facilitar bastante quando você decidir que está pronta para o sexo com penetração.  
  • Use um sutiã. Os seios das mães lactantes podem ficar sensíveis e escorrer um pouco de leite, principalmente durante o sexo, quando são liberados os mesmos hormônios durante o derrame. Usar um sutiã de apoio durante o sexo pode ajudar muito com esses problemas. 
  • Faça exercícios de Kegel. Os exercícios de Kegel foram desenvolvidos para fortalecer os músculos do assoalho pélvico, para que você possa recuperar o controle da sua bexiga e esfíncter anal. Eles também ajudam a tonificar os músculos vaginais, o que pode ser muito útil na cama. 
  • Não hesite em dizer não. Se sentir desconforto, você pode parar a qualquer momento. Basta manter uma linha de comunicação aberta com o seu parceiro e avisar, sem se sentir culpada, que você não está no clima. E lembre-se: recusar a penetração não implica necessariamente que todo tipo de atividade sexual deve acabar.

Tenha em mente que não existe um padrão quando se trata de gravidez e de dar à luz. Cada parto é único e diferente, assim como os seus processos de recuperação.

Por mais ansiosos que você e seu parceiro estejam para retomar a atividade sexual após o parto, é mais importante ouvir o seu corpo e o seu médico. Se o sexo ainda provocar dores após um ano, seu médico pode recomendar um especialista para você. 

Não entre em pânico se vir sangue após uma relação sexual pós-parto. É normal ter um pouco de sangramento, mas se for intenso ou continuar por mais de um ou dois dias, não deixe de falar com o seu médico. E lembre-se: mesmo que o início seja difícil, tudo melhora com o tempo. Dê tempo ao tempo. No fim das contas, você acabou de trazer uma pessoa para o mundo. 

Revisado pelo prof. Tahir Mahmoud, Presidente do Conselho Europeu de Padrões de Cuidados e da Faculdade de Obstetrícia e Ginecologia.