1. Gravidez
  2. Saúde na gestação
  3. Complicações

Padrões de verificação de fatos do Flo

Todo o conteúdo do Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

Colo do útero curto durante a gravidez

O colo é a parte cilíndrica do útero que o liga à vagina. Seu papel principal é expelir fluidos que ajudam o espermatozoide a se deslocar do canal vaginal para o útero.

Geralmente, o colo do útero possui cerca de três a cinco centímetros de comprimento, mas os de algumas mulheres é menor. O colo do útero encurta durante a gravidez, mas se ficar muito curto cedo demais, o risco de trabalho de parto prematuro aumenta.

O que causa um colo do útero curto?

A principal causa de um colo do útero curto durante a gravidez é a insuficiência cervical (ou incompetência istmocervical). Durante a gravidez, o bebê cresce e se torna mais pesado, pressionando o colo do útero. Se o colo do útero for curto, a pressão exercida pode fazer com que se abra antes do bebê estar pronto para nascer.

Felizmente, a insuficiência cervical não é muito comum. Apenas uma em cada 100 gestações pode resultar em incompetência istmocervical.

Sintomas do colo do útero curto

Algumas mulheres com o colo do útero curto apresentam sintomas leves, embora seja assintomático na maior parte dos casos. Eles geralmente aparecem entre 14 e 20 semanas de gravidez e incluem:

  • dor nas costas;
  • pressão pélvica;
  • cólicas abdominais;
  • alteração no volume, cor e consistência do corrimento vaginal;
  • leve sangramento de escape ou hemorragia;
  • contrações semelhantes às de Braxton Hicks.

Colo do útero curto: possíveis complicações

Quando o colo do útero é curto, o risco de trabalho de parto prematuro aumenta. Isso ocorre porque o colo do útero pode não se manter fechado como deveria durante a gravidez. Mulheres com um colo do útero curto durante a gravidez têm mais chances de terem um parto prematuro do que aquelas com um colo mais espesso e longo.

Diagnóstico de colo do útero curto

Um colo do útero curto não pode ser diagnosticado por um exame manual, devendo ser comprovado por ultrassom. No momento, o ultrassom é a maneira mais confiável de diagnosticar essa condição.

Durante o procedimento, o médico medirá o seu comprimento cervical. Numa gravidez típica, o colo do útero normalmente tem entre três e cinco centímetros de comprimento (ou 30 a 50 mm). O risco de parto prematuro é maior quando o colo do útero tem menos de 2,5 centímetros de comprimento.

A detecção precoce de um colo do útero curto durante a gravidez pode ajudar a prevenir o nascimento prematuro, pois permite que as mulheres recebam tratamento em tempo hábil.

Como administrar um colo do útero curto

O risco de parto prematuro decorrente de um colo do útero curto pode ser uma fonte de preocupação para uma grávida.

A boa notícia é que existem maneiras de administrar o risco de um colo do útero curto e prolongar a gestação. O tratamento para um colo do útero curto inclui:

  • Progesterona. A progesterona é um hormônio usado para prevenir contrações e sustentar uma gravidez até que ela atinja seu termo. As mulheres podem receber o hormônio por meio de uma injeção semanal ou como um medicamento vaginal diário, até cerca de 34 a 36 semanas. O médico pode prescrevê-lo no segundo trimestre ou antes.
  • Pessário de Arabin. O pessário de Arabin é outra maneira de reduzir as chances de gravidez prematura. Trata-se de um anel de silicone inserido na vagina para manter o colo do útero fechado. Esse não é um procedimento cirúrgico, e a colocação do anel é realizada por um obstetra. A colocação do pessário de Arabin pode aumentar o risco de infecção. 
  • Ponto/cerclagem cervical. Durante uma cerclagem cervical, é colocado um ponto no colo do útero para ajudar a mantê-lo fechado. A cerclagem está associada a uma taxa de gravidez bem-sucedida de 85 a 90%. Se possível, a cerclagem é mantida até 36 a 38 semanas de gravidez. Esse procedimento é oferecido a mulheres que tiveram um ou mais partos prematuros, abortos espontâneos tardios ou que realizaram cirurgia cervical no passado.

Se o diagnóstico de colo do útero curto for comprovado, a betametasona pode ser tomada entre 24 e 34 semanas de gestação para diminuir o risco de parto prematuro. O repouso absoluto pode ser recomendado como medida de precaução.

Além disso, os médicos geralmente sugerem um acompanhamento regular e uma consulta com um especialista em gestações de alto risco. Desta forma, qualquer problema com um colo do útero curto durante a gestação pode ser encontrado e tratado precocemente.

http://americanpregnancy.org/pregnancy-complications/incompetent-cervix/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2709324/

https://extranet.who.int/rhl/topics/preconception-pregnancy-childbirth-and-postpartum-care/pregnancy-complications/preterm-birth/who-recommendation-use-either-dexamethasone-or-betamethasone-antenatal-corticosteroid-choice