SOP vs endometriose: quais são as diferenças?

    Publicação 20 de dezembro de 2022
    Informação verificada
    Revisão médica por Dra. Ruth Arumala, Obstetra e ginecologista, cirurgiã ginecológica e cosmética, Texas, EUA
    Padrões de verificação de fatos do Flo

    Todo o conteúdo da Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

    Se você não tem certeza se endometriose e ovários policísticos são a mesma condição, tire suas dúvidas aqui.

    Você já deve saber que a síndrome dos ovários policísticos (SOP) e a endometriose são condições que afetam o sistema reprodutor. Para além disso, apesar de ambas terem o potencial de causar alguns sintomas desagradáveis, há muito pouco em comum entre as duas coisas. 

    Não importa qual das duas condições você tem, alguns dos sintomas que elas causam podem trazer desconforto e até preocupar. Para ajudar você a entender cada condição, conversamos com Allison K. Rodgers, obstetra e ginecologista. Neste artigo, ela detalha todas as semelhanças e as diferenças entre endometriose e ovário policístico, e ainda responde a algumas perguntas importantes.

    “Há dois aspectos que definitivamente ambas as condições têm em comum: elas não são culpa de ninguém e são altamente tratáveis”, diz a Dra. Rodgers.

    Como diferenciar SOP de endometriose?

    Tanto a síndrome do ovário policístico quanto a endometriose afetam o sistema reprodutor de pessoas em idade fértil, o que geralmente engloba mulheres e pessoas menstruantes entre 12 e 50 anos. Infelizmente, são condições crônicas que geralmente duram muito tempo, embora nem sempre os sintomas apareçam logo no início e o diagnóstico demore um pouco.

    A síndrome do ovário policístico, também conhecida pela sigla SOP, é uma condição ligada aos níveis hormonais que geralmente causa um desequilíbrio nos hormônios andrógenos. Às vezes conhecidos como hormônios “masculinos”, os andrógenos são responsáveis por regular grande parte do corpo e do ciclo menstrual. Algumas vezes, a síndrome do ovário policístico vem acompanhada pela formação de um ou mais cistos nos ovários, o que dá nome à condição. A menstruação irregular é outro sintoma importante da SOP.

    Acredita-se que a síndrome do ovário policístico seja causada por vários motivos, incluindo a predisposição genética. Segundo alguns estudos, mulheres com histórico de ovários policísticos na família têm maior probabilidade de apresentar SOP. Mas, como muitos outros problemas de saúde feminina, ainda não se sabe muito sobre outras causas.

    Como o Flo pode ajudar você?

    A endometriose, por outro lado, ocorre quando placas de células muito semelhantes às que compõem o revestimento uterino são encontradas em outras partes do corpo. É comum encontrar essas células características da endometriose nos ovários, no restante da pelve e no intestino. Como na síndrome do ovário policístico, a endometriose também está relacionada aos hormônios. Foi observado que a condição desencadeia a produção excessiva de estrogênio, o hormônio sexual feminino. 

    Há várias teorias sobre a causa da endometriose. Embora ainda não haja consenso médico sobre um motivo específico, acredita-se que a condição seja provocada pela chamada menstruação retrógrada. “Certamente, todo mundo tem um pouco de menstruação retrógrada, que é um refluxo do sangue menstrual pelas trompas [de Falópio]”, explica a Dra. Rodgers. “Para quem não tem endometriose, as glândulas e sangue são absorvidos pelo corpo. Não é nada demais. Mas para alguém que tem endometriose, essas glândulas são muito viscosas e podem grudar nas tubas, nos ovários ou nos ligamentos e órgãos da pelve”. 

    Como podemos ver, além do fator hormonal em geral, há pouca relação entre as duas condições. No entanto, alguns médicos argumentam que a síndrome do ovário policístico e a endometriose estão, na verdade, em extremos opostos do espectro no que diz respeito aos níveis hormonais.

    Qual é mais comum: endometriose ou ovário policístico?

    As duas condições são relativamente comuns. Estima-se que a síndrome do ovário policístico afete algo em torno de uma em cada dez mulheres em idade reprodutiva, enquanto de10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva têm endometriose.

    É possível ter endometriose e ovário policístico?

    Embora isso não seja comum, é possível ter o diagnóstico de ovário policístico e endometriose. Alguns estudos parecem sugerir que aproximadamente 7% das pessoas que têm endometriose também têm ovários policísticos. É raro porque geralmente a SOP causa uma redução na quantidade de períodos menstruais, fazendo com que o sangue volte para as tubas uterinas com menos frequência, explica a Dra. Rodgers. Mas isso pode acontecer, especialmente durante um período menstrual intenso. Outros estudos sugerem que “uma parcela significativa” de pessoas que têm ovários policísticos e encontram dificuldades para conceber também pode ter “endometriose não diagnosticada”. No entanto, é necessário pesquisar mais sobre o assunto.

    SOP vs endometriose: sintomas e diagnóstico

    Agora, como saber se você tem ovário policístico ou endometriose? Geralmente a resposta está nos sintomas. Os sintomas da síndrome do ovário policístico geralmente incluem pelo menos dois dos três pontos seguintes: 

    • Cistos nos ovários
    • Alterações nos pelos corporais, como queda de cabelo ou crescimento excessivo de pelo em algumas partes do corpo
    • Ciclo menstrual irregular, seja ao pular a menstruação ou ter períodos muito longos e intensos

    “Normalmente, para ter um ciclo menstrual regular, a glândula pituitária no cérebro precisa enviar um sinal ao ovário para criar e liberar um óvulo. Para pessoas com ovários policísticos, isso não acontece normalmente”, diz a Dra. Rodgers para explicar como a SOP pode afetar seu ciclo. 

    Outros sintomas da síndrome do ovário policístico incluem acne; manchas escuras e aveludadas na pele ao redor de áreas sensíveis, como pescoço, virilha ou axilas; e ganho de peso, especialmente na parte central do corpo. Médicos podem dizer se você tem síndrome do ovário policístico com base nos sintomas acima, mas o diagnóstico também pode ser confirmado por um exame de sangue ou pélvico. 

    Os sintomas da endometriose são diferentes. Os principais incluem dor e desconforto, além de um sangramento intenso anômalo. Todos esses sintomas podem ser especialmente acentuados (e às vezes debilitantes) durante o período menstrual. Isso acontece porque as células endometriais localizadas em outras partes do corpo podem sangrar e inchar, assim como acontece com o revestimento interno do útero durante a menstruação. Sabe-se também que a endometriose pode causar dor durante ou após a relação sexual ou ao ir ao banheiro. Isso ocorre por causa da inflamação na pélvis causada por células estranhas.

    Embora um exame pélvico ou ressonância magnética alertem os médicos para a presença de endometriose, o diagnóstico oficial deve ser feito por meio de uma laparoscopia. Esse procedimento envolve examinar dentro do útero com uma pequena sonda para ver se há excesso de tecido. O diagnóstico de endometriose pode levar muito tempo, em média de 5 a 12 anos após o surgimento dos sintomas.

    Os ovários policísticos ou a endometriose podem causar problemas de fertilidade?

    Já ficou claro que os sintomas dos ovários policísticos e da endometriose tendem a ser bastante diferentes. Mas há uma semelhança: infelizmente, as duas condições podem fazer com que seja um pouco mais difícil engravidar. Saiba por quê: 

    • Na síndrome do ovário policístico, pode ser mais difícil engravidar porque os ciclos são irregulares e talvez a ovulação não aconteça. A liberação do óvulo para a fertilização é essencial para a concepção. 
    • Na endometriose, conceber pode ser mais difícil se as placas de células endometriais causarem danos nas tubas uterinas ou nos ovários, que são os principais órgãos reprodutivos. Além disso, a inflamação causada pela endometriose também dificulta a concepção.

    Mas se você tem ovário policístico ou endometriose e quer ter filhos um dia, não desanime. Muitas pessoas com essas condições conseguem engravidar e ter bebês saudáveis.

    A síndrome do ovário policístico e endometriose causam complicações durante a gravidez?

    Em alguns casos, as duas condições também podem afetar a gravidez. Mas esse certamente não é o caso para todas as pessoas e, às vezes, significa apenas que você precisa de um pouco mais de cuidado e atenção médica. 

    Com a síndrome do ovário policístico, há um aumento no risco de diabetes e pressão alta na gravidez. Por ser uma condição hormonal relacionada à resistência à insulina, que ocorre quando o corpo produz mas não usa bem o hormônio responsável por regular o açúcar no sangue, pode haver algumas mudanças relevantes no corpo, explica a Dra. Rodgers.

    Veja como a síndrome do ovário policístico se manifesta em algumas pessoas

    Grávidas com endometriose têm 1,5 mais chances de ter um parto prematuro, quando o bebê nasce antes de 37 semanas de gravidez, do que gestantes sem esta condição. Por isso, é importante ficar de olho em qualquer sintoma semelhante ao trabalho de parto (como contrações ou desconforto pélvico) conforme a gravidez avança. 

    A placenta prévia é outra complicação a ser observada quando a grávida tem endometriose. É quando a placenta está localizada perto da abertura do colo do útero, em vez de nas paredes uterinas. A placenta prévia traz um risco maior de perda de sangue ou ruptura da placenta, que é uma condição séria que requer atendimento médico imediato. O principal sintoma é o sangramento vaginal vermelho vivo.

    Nada disso é dito para assustar. Muitas pessoas com ovário policístico e endometriose têm gestações perfeitamente saudáveis. Porém, se você tiver uma dessas condições e engravidar, será ainda mais importante conversar com um profissional de saúde sobre suas necessidades específicas e como controlar riscos.

    SOP vs endometriose: como lidar com os sintomas em longo prazo

    Infelizmente, os cientistas ainda não descobriram como acabar com ovário policístico nem curar a endometriose. Mas, olhando pelo lado positivo, há várias maneiras de controlar, aliviar e tratar sintomas. 

    Em primeiro lugar, cada pessoa é diferente. Pergunte ao seu médico como o seu caso específico de ovário policístico ou endometriose pode afetar você e seu corpo. Normalmente, adotar um estilo de vida saudável pode trazer muitos benefícios. Por exemplo, nos dois casos, ter uma dieta equilibrada ajuda. 

    A depender de suas circunstâncias, os médicos podem recomendar o uso de contraceptivos hormonais, que serve para as duas condições. Como isso ajuda no tratamento de ovário policístico e endometriose?

    • Na síndrome do ovário policístico, os hormônios contraceptivos podem neutralizar o desequilíbrio hormonal, ajudando a aliviar os sintomas. 
    • Na endometriose, os hormônios ajudam a parar ou reduzir a frequência da menstruação, evitando refluxos do sangue menstrual e dores. 

    Outras opções de medicamentos para ovário policístico e endometriose não estão relacionadas a contraceptivos, como cirurgia. No caso da endometriose, se os sintomas causarem extremo desconforto, a recomendação médica poderá ser cirurgia para remover ou cauterizar o tecido extra. Há vários tipos de cirurgia, a depender da extensão da endometriose. Consulte um profissional da saúde para descobrir a opção certa para você.

    Devo retirar o DIU se tiver ovário policístico ou endometriose?

    “Eu diria que depende do tipo de DIU que você usa”, explica a Dra. Rodgers. Assim como a maioria dos contraceptivos hormonais, o sistema intrauterino (SIU) ajuda nas duas condições, pois pode aliviar a dor da endometriose e corrigir o desequilíbrio hormonal da síndrome do ovário policístico. No entanto, o DIU de cobre pode causar mais sangramento durante a menstruação e piorar a situação para quem tem endometriose. Em caso de dúvidas, procure aconselhamento médico para descobrir a opção mais adequada para você.

    SOP vs endometriose: conclusão

    A síndrome dos ovários policísticos e a endometriose afetam seu corpo de maneiras distintas, mas têm alguns pontos em comum. “Um ponto é que há um espectro (para ambas)”, explica a Dra. Rodgers. “Existe um enorme espectro entre formas muito leves e muito graves da síndrome do ovário policístico e da endometriose”.

    “E são altamente tratáveis”, acrescenta a Dra. Rodgers. “Há tratamentos que funcionam muito bem para pessoas que não estão tentando engravidar e para pessoas que estão tentando engravidar”. 

    Pode ser complicado lidar com as duas condições. Reconhecer que nem sempre será fácil é importante para se preparar melhor para lidar com os momentos difíceis. Por outro lado, há várias ferramentas que ajudam a aliviar os sintomas e o desconforto. Lembre-se: cada caso é diferente e pessoal. Busque aconselhamento médico para saber a melhor forma de lidar com sua situação.

    Monitorar seu ciclo no Flo é útil para reunir as informações necessárias para seu médico diagnosticar se você tem síndrome dos ovários policísticos ou endometriose. Também é uma ótima maneira de acompanhar sua saúde e conhecer melhor seu corpo, desde sua secreção vaginal até os padrões da sua menstruação.

    Referências

    Anderson-Bagga, Frances M., e Angelica Sze. “Placenta Previa.” StatPearls, StatPearls Publishing, 2021.

    Chantalat, Elodie, et al. “Estrogen Receptors and Endometriosis.” International Journal of Molecular Sciences, v. 21, n. 8, abril de 2020, https://doi.org/10.3390/ijms21082815.

    “Diagnosing Polycystic Ovary Syndrome in Adults.” NYU Langone Health, https://nyulangone.org/conditions/polycystic-ovary-syndrome/diagnosishttps://nyulangone.org/conditions/polycystic-ovary-syndrome/diagnosis. Acesso em: 29 de junho de 2022.

    Dinsdale, Natalie L., e Bernard J. Crespi. “Endometriosis and Polycystic Ovary Syndrome Are Diametric Disorders.” Evolutionary Applications, v. 14, n. 7, julho de 2021, p. 1693–715.

    “Endometriosis.” US Department of Health & Human Services: Office on Women’s Health, www.womenshealth.gov/a-z-topics/endometriosis. Acesso em: 29 de junho de 2022.

    “Endometriosis.” World Health Organization, www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/endometriosis. Acesso em: 29 de junho de 2022.

    “Endometriosis Diet: Foods to Eat and Avoid.” Cleveland Clinic, 28 de janeiro de 2022, health.clevelandclinic.org/endometriosis-diet/.

    Hager, Marlene, et al. “The Prevalence of Incidental Endometriosis in Women Undergoing Laparoscopic Ovarian Drilling for Clomiphene-Resistant Polycystic Ovary Syndrome: A Retrospective Cohort Study and Meta-Analysis.” Journal of Clinical Medicine Research, v. 8, n. 8, agosto de 2019, https://doi.org/10.3390/jcm8081210.

    “Insulin Resistance and Diabetes.” Centers for Disease Control and Prevention, 11 de agosto de 2021, www.cdc.gov/diabetes/basics/insulin-resistance.html.

    Khan, Muhammad Jaseem, et al. “Genetic Basis of Polycystic Ovary Syndrome (PCOS): Current Perspectives.” The Application of Clinical Genetics, v. 12, dezembro de 2019, p. 249–60.

    Kim, Sun-Gyeong, et al. “Primiparous Singleton Women with Endometriosis Have an Increased Risk of Preterm Birth: Meta-Analyses.” Obstetrics & Gynecology Science, v. 60, n. 3, maio de 2017, p. 283–88.

    Matsuzaki, Shinya, et al. “Placenta Previa Complicated with Endometriosis: Contemporary Clinical Management, Molecular Mechanisms, and Future Research Opportunities.” Biomedicines, v. 9, n. 11, outubro de 2021, https://doi.org/10.3390/biomedicines9111536.

    Moen, Mette H. “Endometriosis, an Everlasting Challenge.” Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica, v. 96, n. 6, junho de 2017, p. 783–86.

    “Polycystic Ovary Syndrome.” US Department of Health & Human Services: Office on Women’s Health, www.womenshealth.gov/a-z-topics/polycystic-ovary-syndrome. Acesso em: 29 de junho de 2022.

    Rzońca, Ewa, et al. “Polycystic Ovary Syndrome and Endometriosis as Reasons for Women’s Admission to Outpatient Specialist Care in Poland: A Retrospective Analysis.” International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 18, n. 4, fevereiro de 2021, https://doi.org/10.3390/ijerph18041442.

    Sawant, Shital, e Priya Bhide. “Fertility Treatment Options for Women with Polycystic Ovary Syndrome.” Clinical Medicine Insights. Reproductive Health, v. 13, dezembro de 2019, p. 1179558119890867.

    Schenken, Robert S. “Endometriosis: Pathogenesis, Epidemiology, and Clinical Impact.” UpToDate, edited by Robert L. Barbieri and Kristen Eckler, UpToDate, 2022.

    “Symptoms: Polycystic Ovary Syndrome.” NHS, www.nhs.uk/conditions/polycystic-ovary-syndrome-pcos/symptoms/. Acesso em: 29 de junho de 2022.

    Teede, Helena et al. “International evidence-based guideline for the assessment and management of polycystic ovary syndrome 2018.” Monash University, Melbourne Australia, 2018, p. 6. www.monash.edu/__data/assets/pdf_file/0004/1412644/PCOS_Evidence-Based-Guidelines_20181009.pdf

    Histórico de atualizações

    Versão atual (20 de dezembro de 2022)

    Revisão médica por Dra. Ruth Arumala, Obstetra e ginecologista, cirurgiã ginecológica e cosmética, Texas, EUA

    Publicação (20 de dezembro de 2022)

    Neste artigo

      Experimente o Flo

      Sign up for our newsletter

      Our latest articles and news straight to your inbox.

      Thanks for signing up

      We're testing right now so not collecting email addresses, but hoping to add this feature very soon.