Os tampões de CBD são seguros? Tudo o que você precisa saber

    Publicação 20 de dezembro de 2022
    Informação verificada
    Revisão médica por Dra. Sara Twogood, Obstetra e ginecologista, Cedars-Sinai Medical Group, Califórnia, EUA
    Padrões de verificação de fatos do Flo

    Todo o conteúdo da Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

    Os tampões de CBD são anunciados como uma maneira de aliviar as cólicas menstruais. Mas qual é a ciência por trás dessa promessa? É seguro e permitido por lei usar absorventes internos com canabidiol? E será que funcionam? Fizemos essas perguntas a duas ginecologistas.

    Nos últimos anos, o uso do canabidiol (CBD) para diversos fins aumentou muito. Extraída da planta Cannabis sativa, essa substância tem sido comercializada como um complemento à rotina de cuidados pessoais, podendo ser encontrada em cosméticos, alimentos e bebidas. Aliás, o CBD está sendo usado até em produtos para menstruação, como tampões. 

    Você deve estar se perguntando como um extrato encontrado no cânhamo agora é anunciado como uma maneira de aliviar as cólicas. Qual é a ciência por trás dessa promessa? E o uso de tampões menstruais com CBD é seguro e legalizado? Recorremos a duas ginecologistas obstetras para esclarecer os fatos.

    Antes de mais nada, se você tem dúvidas sobre os componentes dos produtos menstruais, como os tampões de CBD, ou percebeu alguma mudança na sua saúde sexual ou reprodutiva, busque aconselhamento médico. Não há motivo para ter vergonha. Médicos podem responder a qualquer pergunta e tranquilizar suas preocupações. 

    O que é CBD? Essa substância é legalizada?

    O CBD, ou canabidiol, é uma das muitas substâncias encontradas na planta de cannabis. É o segundo ingrediente mais ativo, ao lado do tetraidrocanabinol (THC). Mas ao contrário do THC, o CBD não é viciante. Porém, é bom ter em mente que o CBD pode ter propriedades viciantes para quem tem um histórico de outros vícios. Nesse caso, busque orientação médica.

    O CBD também não é intoxicante, o que significa que você não vai “viajar”. Isso acontece porque o canabidiol não é psicoativo, como o THC. 

    O CBD também não aparece em exames toxicológicos. Na verdade, CBD é legalizado em vários países, incluindo nos EUA e Reino Unido, desde que seja derivado do cânhamo, e não da maconha. As duas plantas são da mesma espécie, o que pode causar confusão, mas a legislação norte-americana define o cânhamo como a planta canábis que contém até no máximo 0,3% de THC. Já a maconha é a planta canábis com mais de 0,3% de THC. No Reino Unido, o uso de CBD é permitido desde que seja derivado do cânhamo com menos de 0,2% de THC. 

    Em geral, a regulamentação sobre o uso de CBD varia dependendo do país e da localidade. Por isso, é bom consultar a legislação de onde você vive antes de comprar qualquer produto.

    Como o Flo pode ajudar você?

    O que são tampões de CBD?

    Como o próprio nome indica, tampões de CBD são absorventes internos com canabidiol. Há dois tipos: tampões normais tratados com gotas de CBD e tampões que misturam extrato de CBD com uma substância excipiente, como a manteiga de cacau, para que o composto derreta e seja absorvido naturalmente pelo corpo. 

    Talvez você esteja se perguntando de onde saiu a ideia de usar o CBD em produtos menstruais. Alguns estudos ressaltam que o CBD pode ter propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Muitas vezes, o CBD é promovido como uma solução para vários problemas de saúde, incluindo insônia, ansiedade, dores crônicas e inflamações. Por isso, o canabidiol também está sendo usado para aliviar cólicas e dores menstruais, embora haja poucas evidências médicas conclusivas que comprovem esses benefícios.

    Os tampões de CBD ajudam a aliviar as cólicas?

    A ideia de acrescentar CBD aos produtos menstruais para aliviar as cólicas realmente funciona? “Infelizmente, não há dados publicados sobre o uso do CBD para reduzir as cólicas menstruais”, disse a Dra. Jenna Beckham. “Cada pessoa apresenta uma reação diferente ao CBD. Para algumas, é muito benéfico e terapêutico. Já outras não veem benefício nenhum”. 

    Em tese, quando introduzido na vagina, o CBD interage com os receptores canabinoides presentes na membrana mucosa do canal vaginal. Esses receptores estão espalhados pelo corpo inteiro e fazem parte do sistema endocanabinoide, um complexo sistema de sinalização celular que ajuda a regular tudo, desde o apetite e o sono até os processos de inflamação e dor. 

    Acredita-se que os tampões femininos de CBD ajudem o medicamento a agir localmente e aliviar a inflamação das contrações uterinas que causam as cólicas menstruais. Porém, como há poucos estudos sobre os receptores canabinoides vaginais, ainda não está claro se isso acontece de fato. 

    “Há evidências de que o CBD poderia agir especificamente para reduzir a inflamação sem os efeitos colaterais dos anti-inflamatórios tradicionais”, explicou a Dra. Jenna Flanagan. Isso se deve ao fato de que o canabidiol não tem as propriedades presentes em outros medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno, que irritam a parede do estômago. Mas ressaltamos, mais uma vez, que “há um volume muito pequeno de pesquisas científicas em geral” para comprovar essa teoria, segundo a Dra. Flanagan.

    “Cada pessoa apresenta uma reação diferente ao CBD. Para algumas, é muito benéfico e terapêutico. Já outras não veem benefício nenhum.”

    E por que há tão pouca pesquisa sobre os efeitos do canabidiol? Como há até pouco tempo o CBD era ilegal nos EUA e na Europa, a comunidade científica ainda sabe muito pouco sobre como é o mecanismo de ação do canabidiol no corpo. E os efeitos sobre as cólicas menstruais são ainda menos conhecidos porque não foram estudados.

    A falta de pesquisas tem consequências consideráveis. Como a Food and Drug Administration (FDA), uma das agências responsáveis pela proteção da saúde pública nos EUA, não considera o CBD uma substância controlada, há poucas normas sobre a dosagem. 

    O órgão explica que “ao contrário de outros fármacos aprovados pela FDA, produtos com CBD não aprovados pela agência não foram submetidos à análise como parte do processo de aprovação de medicamentos, e não há avaliação da FDA sobre a segurança e eficácia de tais produtos no tratamento de uma determinada doença, a dosagem apropriada, interação com outros medicamentos e alimentos, efeitos colaterais perigosos e outras preocupações de segurança”.

    E embora os tampões de CBD sigam as normas que regulam os dispositivos médicos, a FDA ainda não concedeu o mesmo selo de aprovação. Isso não significa que você não deva usar esse tipo de tampão menstrual, mas o melhor é procurar orientação médica se estiver pensando nessa possibilidade. Procure marcas que publicaram testes clínicos que comprovam a eficácia e a segurança dos tampões de CBD. A FDA e a Diretiva Relativa à Segurança Geral dos Produtos determinam os critérios para que os produtos satisfaçam os padrões de teste. Procure saber se a marca que você encontrou cumpriu os requisitos. 

    Isso não significa que o canabidiol foi completamente descartado pela comunidade médica. A FDA já aprovou um medicamento derivado do CBD, o Epidiolex, que tem a venda controlada e é usado para tratar convulsões e casos graves de epilepsia infantil. Isso pode estabelecer um precedente para futuros usos medicinais do CBD. Mas até o presente, não há evidências concretas de que o canabidiol ajuda a aliviar as dores menstruais.

    Os tampões de CBD são seguros?

    Não podemos afirmar se os tampões de CBD de fato reduzem as dores e as cólicas. Mas a boa notícia é que o canabidiol é, em geral, uma substância considerada segura. No entanto, a Dra. Beckham adverte sobre os possíveis efeitos colaterais. 

    “Os dados sobre o uso de tampões de CBD são limitados”, disse a Dra. Beckham. “A dosagem ou quantidade desse ingrediente no tampão não é regulamentada. Além disso, qualquer coisa que seja inserida no canal vaginal pode provocar irritações ou até mesmo infecções. O CBD também pode interagir com outros medicamentos que a pessoa toma, portanto é importante falar sobre o uso com um profissional de saúde”.

    A Dra. Beckham também aconselha que “pacientes que estão amamentando ou grávidas não devem usar tampões menstruais ou qualquer outro produto que contenha CBD”. 

    Essas recomendações seguem as orientações da FDA, que desaconselha com veemência o uso de canabidiol por gestantes e lactantes. Até o momento, não há estudos com seres humanos sobre os efeitos do CBD na gravidez. Mas alguns estudos com animais constataram que doses elevadas de CBD podem prejudicar o desenvolvimento do sistema reprodutor do bebê. Uma outra pesquisa descobriu que o CBD pode ser passado em pequenas doses para o bebê pelo leite materno. Todo cuidado é pouco e, por isso, é melhor não fazer uso de produtos com CBD nesses casos. 

    Se você está pensando em usar tampões de CBD, a Dra. Beckham sugere conferir a lista de ingredientes. Segundo ela, também é bom entrar no site da empresa fabricante para ver se foram feitos testes independentes para confirmar a segurança e a eficácia do produto. 

    Converse com seu médico ou médica se você tiver dúvidas ou preocupações sobre o uso de produtos com CBD. E em caso de qualquer reação adversa, procure ajuda médica imediatamente. 

    Tampões de CBD: conclusão

    A dor menstrual, ou dismenorreia, é um sintoma comum da menstruação que afeta a maioria das mulheres e pessoas menstruantes. Muitas vezes, por ser uma condição debilitante, é compreensível que várias de nós busquem novos métodos de aliviar a dor. 

    Infelizmente, ainda não há pesquisas robustas o suficiente para estabelecer se os tampões de CBD são eficazes no tratamento das cólicas menstruais. Mas em geral, é seguro usar esses produtos, desde que a pessoa não esteja grávida, amamentando ou tomando outros medicamentos que possam interagir com o canabidiol.

    A Dra. Beckham tem o seguinte conselho para quem está pensando em usar tampões de CBD: “Sempre converse com seu médico ou médica antes de começar qualquer tratamento novo. Também é importante discutir os detalhes específicos das cólicas menstruais para investigar as possíveis causas. Algumas precisam de tratamento específico. Às vezes, é necessário descobrir o tratamento ideal por tentativa e erro, já que não existe uma solução que resolva todos os casos”. 

    “Se, mesmo após seguir as recomendações usuais, a dor for intensa o suficiente para prejudicar sua vida cotidiana, procure orientação médica profissional”, acrescenta a Dra. Flanagan. “Quem quiser usar o óleo de CBD pode testar a eficácia por conta própria. Porém, o uso de supositórios e tampões menstruais de CBD ainda não pode ser receitado com a aprovação da FDA”. 

    Monitorar seu ciclo no Flo é útil para acompanhar sua saúde. Além de registrar seus produtos menstruais favoritos, você pode monitorar os padrões de seu corpo, desde atrasos na menstruação até sintomas da gestação.

    Referências

    Argueta, Donovan A., et al. “A Balanced Approach for Cannabidiol Use in Chronic Pain.” Frontiers in Pharmacology, v. 11, abril de 2020, p. 561. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Atalay, Sinemyiz, et al. “Antioxidative and Anti-Inflammatory Properties of Cannabidiol.” Antioxidants (Basel, Switzerland), v. 9, n. 1, dezembro de 2019, https://doi.org/10.3390/antiox9010021. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Bertrand, Kerri A., et al. “Marijuana Use by Breastfeeding Mothers and Cannabinoid Concentrations in Breast Milk.” Pediatrics, v. 142, n. 3, setembro de 2018, https://doi.org/10.1542/peds.2018-1076. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    “CBD: Safe and Effective?” Drugs.com, https://www.drugs.com/mcf/cbd-safe-and-effective. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    “Consumer Product Safety.” European Commission, 13 de outubro de 2016, https://ec.europa.eu/info/business-economy-euro/product-safety-and-requirements/product-safety/consumer-product-safety_en. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Corroon, Jamie, e Joy A. Phillips. “A Cross-Sectional Study of Cannabidiol Users.” Cannabis and Cannabinoid Research, v. 3, n. 1, julho de 2018, p. 152–61. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Dalterio, S. L., e D. G. deRooij. “Maternal Cannabinoid Exposure. Effects on Spermatogenesis in Male Offspring.” International Journal of Andrology, v. 9, n. 4, agosto de 1986, p. 250–58. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    “Drugs (psychoactive): Cannabidiol (compound of Cannabis).” World Health Organisation, https://www.who.int/news-room/questions-and-answers/item/cannabidiol-(compound-of-cannabis). Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Ju, Hong, et al. “The Prevalence and Risk Factors of Dysmenorrhea.” Epidemiologic Reviews, v. 36, 2014, p. 104–13. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Lu, Hui-Chen, e Ken Mackie. “An Introduction to the Endogenous Cannabinoid System.” Biological Psychiatry, v. 79, n. 7, abril de 2016, p. 516–25. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Meissner, Hannah, e Marco Cascella. “Cannabidiol (CBD).” StatPearls, StatPearls Publishing, 2022. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    “Menstrual Tampons and Pads: Information for Premarket Notification Submissions (510(k)s) - Guidance for Industry and FDA Staff.” U.S. Food and Drug Administration, https://www.fda.gov/regulatory-information/search-fda-guidance-documents/menstrual-tampons-and-pads-information-premarket-notification-submissions-510ks-guidance-industry. Acesso em: 19 de julho de 2022. 

    “FDA Approves First Drug Comprised of an Active Ingredient Derived from Marijuana to Treat Rare, Severe Forms of Epilepsy.” U.S. Food and Drug Administration, https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/fda-approves-first-drug-comprised-active-ingredient-derived-marijuana-treat-rare-severe-forms. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    “What You Need to Know (And What We’re Working to Find Out) About Products Containing Cannabis or Cannabis-Derived Compounds, Including CBD.” U.S. Food and Drug Administration, https://www.fda.gov/consumers/consumer-updates/what-you-need-know-and-what-were-working-find-out-about-products-containing-cannabis-or-cannabis. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    "Reducing Side Effects of NSAIDs Like Ibuprofen and Naproxen.” Hospital for Special Surgery, https://www.hss.edu/conditions_guidelines-reduce-side-effects-nsaids.asp. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Shannon, Scott, et al. “Cannabidiol in Anxiety and Sleep: A Large Case Series.” The Permanente Journal, v. 23, 2019, p. 18–041. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Wiley, Jenny L., et al. Cannabidiol: Science, Marketing, and Legal Perspectives. RTI Press, 2020. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Zhang, Jian, e Chu Chen. “Endocannabinoid 2-Arachidonoylglycerol Protects Neurons by Limiting COX-2 Elevation.” The Journal of Biological Chemistry, v. 283, n. 33, agosto de 2008, p. 22601–11. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Zou, Shenglong, e Ujendra Kumar. “Cannabinoid Receptors and the Endocannabinoid System: Signaling and Function in the Central Nervous System.” International Journal of Molecular Sciences, v. 19, n. 3, março de 2018, https://doi.org/10.3390/ijms19030833. Acesso em: 19 de julho de 2022.

    Histórico de atualizações

    Versão atual (20 de dezembro de 2022)

    Revisão médica por Dra. Sara Twogood, Obstetra e ginecologista, Cedars-Sinai Medical Group, Califórnia, EUA

    Publicação (20 de dezembro de 2022)

    Neste artigo

      Experimente o Flo

      Sign up for our newsletter

      Our latest articles and news straight to your inbox.

      Thanks for signing up

      We're testing right now so not collecting email addresses, but hoping to add this feature very soon.