1. Seu ciclo
  2. Sexo
  3. Contracepção

Padrões de verificação de fatos do Flo

Todo o conteúdo do Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

8 opções eficientes de contracepção não hormonal para você experimentar

Alternar entre os diversos métodos de contracepção e escolher aquele que melhor atende às suas necessidades costuma ser um assunto complicado para as mulheres. Quais são as melhores opções de contracepção não hormonal? Saiba mais neste artigo!

Atualmente, existem várias alternativas de contracepção disponíveis para as mulheres. As mais populares são:

Os métodos de barreira são o tipo mais comum de contracepção não hormonal. Sua utilização faz com que os espermatozoides sejam fisicamente impedidos de alcançar o óvulo. Muitos anticoncepcionais de barreira podem ser facilmente comprados on-line ou em qualquer farmácia local, sem a necessidade de prescrição médica.

Existem vários tipos de métodos contraceptivos de barreira:

Os preservativos são o método contraceptivo não hormonal mais popular do mundo. Além de prevenir uma gravidez indesejada, eles também protegem você contra a maioria das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Eles são eficazes, baratos e fáceis de usar, podendo ser encontrados em vários lugares.

Os preservativos estão disponíveis tanto para homens quanto para mulheres.

Os preservativos masculinos são colocados no pênis, impedindo que o esperma entre na vagina durante o ato sexual. Quando usados corretamente, apresentam uma eficácia em torno de 82%.

Os preservativos masculinos são encontrados em diversos materiais, texturas, cores e sabores. Normalmente seu custo é baixo e, às vezes, você pode até retirá-los gratuitamente nas unidades de saúde da rede pública.

Os preservativos femininos são encaixados dentro da vagina, formando uma barreira que impede o esperma de chegar ao útero. De forma geral, eles são feitos à base de nitrilo ou poliuretano. Os preservativos femininos costumam ser bem mais caros que os masculinos.

O espermicida, como o próprio nome sugere, é uma substância química que mata os espermatozoides. Ele pode ser encontrado em forma de espuma, gel ou creme.

Quando usado sozinho, o espermicida apresenta uma eficiência de 70% a 80%; portanto, ele deve ser utilizado junto com preservativos ou quaisquer outros métodos de barreira. Ele está presente até mesmo em alguns preservativos disponíveis no mercado.

Normalmente, o espermicida não tem efeitos colaterais, mas algumas pessoas podem ter irritação na pele.

A maioria dos espermicidas contém nonoxinol-9, que pode provocar alterações na pele dos seus órgãos genitais e ao seu redor deles, tornando-a mais propensa a contrair HIV. Portanto, caso tenha irritação na pele, coceira, vermelhidão, ardência ou esteja preocupada com o HIV, você deve consultar imediatamente o seu médico.

A esponja contraceptiva consiste em uma espuma plástica que é inserida na vagina antes da relação sexual. Ela age como uma barreira entre os espermatozoides e o colo do útero.

As esponjas são descartáveis, ou seja, cada unidade só pode ser utilizada uma única vez, e seu uso deve ser associado a um espermicida. Elas podem ser inseridas na vagina até 24 horas antes do sexo.

O ponto mais importante em relação ao uso da esponja é que ela só pode ser removida no mínimo 6 horas após a relação sexual.

As esponjas apresentam uma eficácia de 60% a 80%.

Caso tenha alergia a sulfas, poliuretano ou espermicidas, você deve evitar usá-las.

O capuz cervical é um método de contracepção não hormonal sujeito à prescrição médica. Ele consiste em um tampão de silicone que pode ser inserido na vagina antes da relação sexual. Como ele é reutilizável, é fundamental que, antes de colocá-lo, você verifique a existência de furos ou rachaduras.

A eficiência dos capuzes cervicais varia entre 60% e 80%.

O diafragma é uma barreira de silicone em formato arredondado, inserido na vagina antes da relação sexual. Como ele também é reutilizável, é indispensável inspecioná-lo cuidadosamente antes do uso para verificar a existência de áreas frágeis ou rachaduras. 

Você pode deixá-lo dentro da vagina por até 24 horas, mas não se esqueça de que ele somente deve ser removido 6 horas após a relação sexual.

O diafragma tem uma eficiência de 80% e você pode associar seu uso a um espermicida, garantindo um método de contracepção não hormonal mais efetivo e, consequentemente, melhorando a proteção contra uma gravidez indesejada.

Se tiver interesse, pesquise o custo de um diafragma e encontre o mais adequado para você.

Caso esteja procurando opções de contracepção de longo prazo, você pode optar por dispositivos intrauterinos (DIU). Eles são um método de contracepção reversível e estão disponíveis nas versões hormonal e não hormonal.

O DIU não hormonal contém cobre. Ele é inserido dentro do útero por um médico especializado. Um mesmo DIU pode ser usado por até 10 anos. Ele também pode ser removido a qualquer momento caso você deseje retomar a fertilidade.

O risco de um DIU falhar é menor que 1%.

Os efeitos colaterais mais comuns associados ao DIU incluem cólicas e sangramento intenso; entretanto, eles podem diminuir com o tempo.

Você pode optar pela cirurgia (esterilização) como um procedimento permanente de contracepção não hormonal. Dependendo do procedimento, a esterilização pode ou não exigir uma incisão no abdômen para permitir o acesso às tubas uterinas.

A esterilização pode ser realizada na mulher, quando é conhecida por ligadura tubária ou laqueadura, ou no homem, sendo chamada de vasectomia. A maioria dos métodos de esterilização feminina tem efeito imediato, mas pode haver a presença de espermatozoides no sêmen até 3 meses após a vasectomia.

Esse procedimento é altamente eficaz e apresenta uma taxa de falha inferior a 1%.

Você deve ter em mente que a cirurgia é uma opção de contracepção permanente. Marque uma consulta com seu médico antes de agendar qualquer cirurgia.

Outro método simples de contracepção não hormonal é o planejamento familiar natural ou percepção da fertilidade.

Você pode descobrir qual o período em que você deve estar fértil (dias de ovulação) no mês e evitar fazer sexo nessa época. Esse período de fertilidade geralmente dura de 6 a 8 dias dentro do ciclo.

Conhecendo bem o seu corpo, você também pode monitorar seus dias de ovulação. Os dias férteis são aqueles nos quais o óvulo é liberado do ovário, ficando apto a ser fertilizado pelo espermatozoide. Algumas das maneiras de determinar se uma mulher está ovulando são:

  • Monitorando seu ciclo menstrual. A ovulação ocorre aproximadamente 2 semanas antes do próximo período menstrual.
  • Medindo a TCB. Antes de ovular, a temperatura corporal basal (TCB) cai, apresentando seu pico após a ovulação.
  • Examinando o seu muco cervical. A quantidade e a textura do muco cervical mudam durante a ovulação.

O planejamento familiar natural envolve trabalhar “com” seu corpo em vez de “contra” ele. A taxa de sucesso desse método de contracepção não hormonal é de cerca de 75% e depende da experiência e efetividade do casal no acompanhamento do período menstrual.

Este método será eficaz somente se a mulher monitorar seu ciclo menstrual de perto. Usar um aplicativo de monitoramento de período menstrual como o Flo pode ser muito útil para detectar a ovulação de forma precisa.

É possível optar por um método de contracepção não hormonal se você:

  • não necessitar de contracepção contínua ou não tiver relações sexuais com muita frequência;
  • sofrer efeitos colaterais ao usar pílulas anticoncepcionais;
  • não quiser alterar o ciclo natural do seu organismo;
  • migrou para um plano de saúde cuja política não cobre métodos hormonais.
  • Você também pode usar os métodos não hormonais associados aos hormonais, como uma proteção extra.
  • A maioria dos métodos de contracepção não hormonal é barata.
  • Algumas opções são facilmente encontradas e não exigem prescrição médica.
  • A maioria desses métodos (exceto o DIU) requer uso consistente para evitar a gravidez.
  • Com exceção do DIU, o risco de falha dos métodos contraceptivos não hormonais é maior que o das opções hormonais.
  • Vários desses métodos não podem ser utilizados durante a menstruação.
  • Muitas mulheres podem achar desconfortável colocar ou deixar os dispositivos de contracepção na vagina.
https://www.healthline.com/health/birth-control/non-hormonal-birth-control#natural-family-planning

https://www.reproductivefacts.org/news-and-publications/patient-fact-sheets-and-booklets/documents/fact-sheets-and-info-booklets/nonhormonal-contraception/

https://www.drugs.com/article/non-hormonal-birth-control.html

Leia em seguida