Biblioteca de saúde
Biblioteca de saúde
Calculadoras
Calculadoras
Sobre
Sobre
    O Flo a Dois chegou! Descubra as vantagens do app e saiba como criar sua conta

    Squirting: tire suas dúvidas sobre o esguicho feminino

    Atualizado em 03 de maio de 2023 |
    Publicação 18 de maio de 2023
    Informação verificada
    Revisão médica por Dra. Sameena Rahman, Ginecologista obstetra, professora assistente clínica, Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade do Noroeste, Illinois, EUA
    Padrões de verificação de fatos do Flo

    Todo o conteúdo da Flo Health segue os padrões editoriais fundamentais de rigor médico, credibilidade dos dados e informações atualizadas. Para entender como asseguramos a credibilidade das informações sobre saúde e estilo de vida, confira os nossos princípios de revisão de conteúdo.

    O squirting não passa do mito da ejaculação feminina dos filmes pornô, certo? Não é bem assim. Vamos começar com o que significa squirt: é o verbo “esguichar” em inglês. Portanto, squirting é o ato de “esguichar”. Uma especialista do Flo explica tudo o que você precisa saber sobre o esguicho feminino, incluindo de onde sai o líquido e qual é a sensação.

    Uma vez que o fenômeno é muito pouco abordado fora do universo pornográfico, o squirting é um território sexual ainda inexplorado. A maioria das pessoas nunca aprendeu sobre a liberação involuntária de fluidos durante o sexo. Então é natural ter dúvidas. Na verdade, o squirting que vemos na pornografia em geral não representa de forma correta o que acontece na realidade. 

    “A pornografia costuma exagerar na quantidade e força do jato liberado durante o squirting para causar um efeito cinematográfico”, diz a Dra. Brandye Wilson-Manigat, ginecologista obstetra e CEO da Brio Virtual Gynecology na Califórnia, EUA. 

    Não é nenhuma surpresa que grande parte da pornografia de massa não seja um retrato fiel do que acontece na hora do sexo para muitas pessoas. Mas se você tem curiosidade em saber o que é o squirt feminino, como acontece e se é realmente possível esguichar, temos as respostas para acabar com as suas dúvidas. Aqui está tudo o que você precisa saber. 

    O que é squirting

    Vamos começar do início: o que é squirting? A Dra. Wilson-Manigat explica: “Existem algumas substâncias que saem da região vaginal durante a atividade sexual, mas, para todos os efeitos, o termo squirting descreve a liberação de um líquido sem cor nem odor durante o ato sexual”.

    Agora que já sabemos o que é squirt, vamos descobrir por que acontece. Durante a excitação sexual, os batimentos cardíacos ficam mais rápidos e o fluxo sanguíneo para a vagina (a parte interna da anatomia sexual feminina) aumenta. Isso faz com que as paredes vaginais fiquem mais úmidas, o que costumamos chamar de “ficar molhada”. Embora essa maior umidade tenha relação com a excitação sexual, ainda não é o esguicho feminino. 

    A quantidade de líquido esguichado é maior do que quando a pessoa apenas “fica molhada”. A sensação é descrita como um jorro, em vez de umidade. E você com certeza vai saber que esguichou se acontecer. Algumas pessoas esguicham quando têm um orgasmo. Já outras não precisam nem chegar ao clímax: elas sentem o jorro quando estão muito excitadas. O líquido liberado pode ter 10 ml ou mais. “Squirting pode acontecer antes ou até mesmo sem o orgasmo”, explica a Dra. Wilson-Manigat. “Na realidade, não tem relação com o tipo ou a qualidade do orgasmo”. 

    Será que todas as mulheres podem esguichar? Na verdade, algumas pessoas nunca passam pela experiência, enquanto acontece de maneira errática para outras. Isso é completamente normal. O mais importante é que você tenha confiança e encontre satisfação na sua vida sexual.

    O líquido do esguicho feminino é igual ao xixi? 

    Para quem fazer xixi é a única outra experiência da emissão de jatos da região vaginal, é fácil imaginar que o líquido do squirting é urina. Mas saiba que não são a mesma coisa.

    Não existem muitas pesquisas médicas sobre o tema, e nem mesmo sobre o prazer sexual em geral. Além disso, há muitos mitos e tabus em torno do ato de esguichar. No entanto, a Dra. Wilson-Manigat esclarece que não é só xixi, “embora a composição do líquido liberado durante o squirting contenha um pouco de urina”. 

    Um estudo analisou sete mulheres antes e depois de esguicharem durante o sexo. Embora a bexiga de cada participante estivesse cheia antes e vazia após esguichar, a análise constatou que o líquido não era puramente urina, mas um fluido parecido. Na verdade, os pesquisadores também descobriram que a maior parte dos fluidos femininos continha antígeno prostático específico (PSA), uma enzima produzida nas glândulas de Skene (continue lendo para saber mais). Em sua maioria, o líquido do squirting é composto de água e altas quantidades de ácido úrico, ureia, creatinina e sódio. 

    Em um estudo de 2022 para entender melhor o squirting, os pesquisadores chegaram a uma conclusão semelhante. Eles injetaram corante azul na bexiga das participantes. Em todos os casos, o líquido esguichado teve a cor azul. Enquanto isso sugere que o líquido tenha se originado na bexiga, a presença de PSA também foi detectada. Ou seja, o squirt é formado por substâncias provenientes tanto da bexiga quanto das glândulas de Skene.

    Sexo e prazer

    Participe da nossa conversa e aprenda mais sobre orgasmos, fluidos liberados durante a relação sexual, mitos sobre o sexo, masturbação e muito mais.

    Não sabe o que são as glândulas de Skene? Aqui está uma breve aula de biologia. Também chamadas de glândulas vestibulares menores, as glândulas de Skene são conhecidas como a próstata feminina. Localizadas em dois dutos, um de cada lado da uretra (o canal conectado à bexiga por onde sai o xixi), as glândulas de Skene são feitas de um tecido similar ao do clítoris. Elas também têm algumas funções bastante úteis. Acredita-se que essas glândulas liberem substâncias antimicrobianas (como o zinco, que impede o crescimento de bactérias) e ajudem a prevenir infecções urinárias. 

    Qual é a sensação do squirting? Como é o líquido liberado? 

    Se você acha que nunca passou pela experiência do squirting, deve ter curiosidade sobre como é. Mas, assim como tudo que tem a ver com o sexo, não há uma lista universal de sensações. Cada experiência sexual e orgasmo é diferente, e o mesmo vale para o squirting. “Para algumas mulheres, é um momento de plenitude prazerosa seguido de uma liberação satisfatória quando o líquido jorra”, diz a Dra. Wilson-Manigat. “Já outras mulheres podem não sentir nada e só percebem que os lençóis estão molhados”.

    Em uma pesquisa, 78,8% das pessoas que afirmaram já ter esguichado e 90% de seus parceiros ou parceiras disseram que a experiência foi “um enriquecimento na vida sexual”. Então, a experiência parece ser positiva para a maioria. Mas se o seu corpo não libera squirt no sexo, saiba que isso é perfeitamente normal. Na verdade, significa que você faz parte da maioria. Continue lendo para entender melhor.

    É normal e comum esguichar? 

    O squirting é normal? Com certeza. É muito comum? A resposta é complicada. “Não sabemos de fato, em parte por não haver um consenso claro sobre o que é o líquido do squirting e de onde ele sai”, diz a Dra. Wilson-Manigat. Um estudo constatou que, para a maioria das mulheres que conseguem esguichar, isso acontece algumas vezes por semana. Então, parece ser uma ocorrência comum nesse grupo. 

    A Dra. Wilson-Manigat explica que é difícil definir a prevalência do squirting porque, até 2011, os estudos publicados nem sempre faziam distinção entre os fluidos liberados durante o orgasmo. Isso apesar de haver muitos outros motivos para liberar líquidos durante o sexo. Alguns deles são:

    • A lubrificação vaginal resultante da excitação sexual.
    • A ejaculação feminina, que é um pouco diferente do squirting. Vamos explicar: a ejaculação feminina também é produzida pelas glândulas de Skene. Porém, ao contrário do squirting, a ejaculação feminina é descrita como uma secreção pouco abundante, com cerca de apenas 1 ml, de um fluido espesso e leitoso. 
    • Xixi: quem tem incontinência urinária talvez passe também pela experiência da incontinência coital. “Incontinência coital é quando ocorre um vazamento de urina durante a penetração ou o orgasmo”, explica a Dra. Wilson-Manigat. Em outras palavras, é fazer um pouco de xixi durante o sexo, o que não é squirting. Não há motivo para se envergonhar. Se você costuma passar por isso, busque orientação médica sobre como controlar a incontinência coital. 
    • O fluido do squirting.

    A falta de distinção entre os fluidos liberados durante o sexo nos estudos científicos pode explicar por que desconhecemos quantas pessoas podem esguichar. Mas seja qual for a estatística, o principal é conhecer o próprio corpo. E se esguichar durante o sexo é comum para você, curta sem culpa. E se não é, está tudo bem também. 

    Então isso acontece de verdade? 

    Agora que você já sabe o que é squirting e de onde vem o squirt, talvez queira saber por que muitas pessoas questionam se esguichar acontece de verdade. Uma vez que pesquisas sobre o squirting são escassas e recentes, ainda há muitos equívocos em torno desse tema. 

    A ideia de que nada mais é do que urina é um dos mitos mais comuns, mas a Dra. Wilson-Manigat diz que existem muitos outros. Algumas das noções erradas que ela mais escuta sobre o assunto são:

    • que o squirting é resultado de um orgasmo incrível.
    • que é algo que todo mundo deveria tentar.
    • que todo mundo quer conseguir esguichar.

    E também há quem acredite que a mulher ejacula por causa da estimulação no ponto G. O famoso ponto G, ou zona de Grafenberg, estaria localizado na parede superior interna da vagina. Na hora da excitação sexual, essa região fica mais inchada e saliente. A existência do ponto G na anatomia feminina é bastante contestada. Enquanto algumas pessoas acreditam que é possível chegar ao orgasmo ao pressionar o ponto G, pesquisas sugerem que o ponto G não existe de modo independente: na verdade, faz parte da estrutura interna do clítoris. 

    O squirt não é atestado de sexo bom ou orgasmo poderoso. Se você nunca esguicha, isso não quer dizer nada sobre você ou a outra pessoa. A ausência do fenômeno não é sinal de sexo “ruim” ou menos prazeroso. Talvez você consiga ou não fazer squirt no sexo, mas falar sobre isso ajuda a derrubar alguns estigmas sobre o líquido do prazer feminino. 

    Como o squirting funciona? 

    Ainda não se sabe por que algumas pessoas esguicham e outras não. Cada corpo reage de maneira única aos estímulos sexuais. E é muito excitante explorar e descobrir nossas zonas erógenas, mas você nunca deve sentir pressão para esguichar. O mais importante é desfrutar do ato sexual. 

    Saber o que acontece no seu corpo pode ajudar você a entender o que é squirting um pouco melhor. Durante o orgasmo, os músculos da vagina, do útero e do ânus se contraem (sensação de aperto). É isso o que causa a sensação de liberação da tensão sexual. Acredita-se que algo semelhante aconteça durante o esguicho feminino, embora nem sempre o squirting esteja relacionado a orgasmos, e as pesquisas ainda sejam limitadas. “Acredito que ocorra uma contração combinada dos músculos do assoalho pélvico, o que provoca a liberação do líquido durante o squirting”, diz a Dra. Wilson-Manigat. 

    Como fazer squirt

    É sempre bom lembrar que esguichar não é atestado de qualidade do sexo ou da intensidade do orgasmo. Ainda não sabemos o porquê, mas algumas mulheres conseguem esguichar e outras não. O que sabemos de fato é que as duas coisas são perfeitamente normais. 

    “Não sabemos de fato se todas as mulheres podem ter a experiência com a estimulação certa, [ou se é] algo que apenas algumas conseguem vivenciar”, explica a Dra. Wilson-Manigat. “Minha opinião é que poucas mulheres sabem que isso é possível, e que portanto é algo que podem explorar para ver se conseguem fazer, seja no sexo em casal ou masturbação”.

    Se você tem vontade de experimentar, tente o método sugerido pela Dra. Wilson-Manigat. “As instruções mais comuns dizem para inserir um ou mais dedos na vagina e, com as pontas, fazer um movimento para cima e para baixo na região da parede anterior da vagina (em direção à parte da frente)”, explica ela. “Entretanto, segundo relatos, mulheres passam pela experiência de esguichar com a estimulação de várias regiões diferentes do corpo”. 

    Na verdade, vale explorar e descobrir o que funciona para você, tentar se divertir com a brincadeira. O importante é desfrutar do ato sexual. E se você conseguir esguichar, é só mais um bônus. 

    Squirting: conclusão 

    Ainda há muito o que aprender sobre o squirting pois são poucas as pesquisas disponíveis. E é também por isso que o tema é cercado de tantos tabus. Para resumir: para quem consegue, esguichar é totalmente normal. Pode ser uma experiência prazerosa para algumas pessoas, mas não acontece exatamente como a pornografia mostra. 

    Por outro lado, se você nunca passou pela experiência, a Dra. Wilson-Manigat aconselha: “Squirting não é o tudo ou nada de uma experiência sexual extraordinária”, diz ela. “O foco no squirting pode fazer com que você deixe de aproveitar a experiência sexual no momento. Então, não ceda à pressão e apenas se divirta”. 

    Para conhecer os padrões do seu corpo, é bom usar um aplicativo como o Flo, que conta com um calendário menstrual completo, incluindo monitoramento do período fértil e dos sintomas mais comuns. Aproveite também artigos sobre todos os assuntos da saúde feminina, desde sangramento livre até sangramento após a relação sexual. Sempre na palma da mão, o Flo ajuda você a se conhecer melhor. 

    Referências

    Darling, C. A. et al. Female Ejaculation: Perceived Origins, the Grafenberg Spot/Area, and Sexual Responsiveness. Archives of Sexual Behavior, v. 19, n. 1, fev. 1990, p. 29–47.

    Inoue, Miyabi et al. Enhanced Visualization of Female Squirting. International Journal of Urology, v. 29, n. 11, nov. 2022, p. 1368–70.

    Lau, Hui-Hsuan et al. Urinary Leakage during Sexual Intercourse among Women with Incontinence: Incidence and Risk Factors. PloS One, v. 12, n. 5, mai. 2017, p. e0177075.

    Moalem, Sharon e Reidenberg, Joy S. Does Female Ejaculation Serve an Antimicrobial Purpose?. Medical Hypotheses, v. 73, n. 6, dez. 2009, p. 1069–71.

    Nguyen, John D. e Hieu Duong. Anatomy, Abdomen and Pelvis, Female External Genitalia. StatPearls, StatPearls Publishing, 2022.

    Pastor, Zlatko e Roman Chmel. Differential Diagnostics of Female ‘Sexual’ Fluids: A Narrative Review. International Urogynecology Journal, v. 29, n. 5, mai. 2018, p. 621–29.

    Female Ejaculation and Squirting as Similar but Completely Different Phenomena: A Narrative Review of Current Research. Clinical Anatomy, v. 35, n. 5, jul. 2022, p. 616–25.

    Pelvic Floor Muscles. Cleveland Clinic, my.clevelandclinic.org/health/body/22729-pelvic-floor-muscles. Acesso em 18 de jan. 2023.

    Salama, Samuel et al. Nature and Origin of ‘Squirting’ in Female Sexuality. The Journal of Sexual Medicine, v. 12, n. 3, março de 2015, p. 661–66.

    Sexual Response Cycle. Cleveland Clinic, my.clevelandclinic.org/health/articles/9119-sexual-response-cycle. Acesso em 18 de jan. 2023.

    Tomalty, Diane et al. Should We Call It a Prostate? A Review of the Female Periurethral Glandular Tissue Morphology, Histochemistry, Nomenclature, and Role in Iatrogenic Sexual Dysfunction. Sexual Medicine Reviews, v. 10, n. 2, abr. 2022, p. 183–94.

    Whipple, Beverly. Ejaculation, Female. The International Encyclopedia of Human Sexuality, John Wiley & Sons, Ltd, 17 de nov. de 2014, p. 1–4,   doi.org/10.1002/9781118896877.wbiehs125.

    Wimpissinger, Florian et al. International Online Survey: Female Ejaculation Has a Positive Impact on Women’s and Their Partners’ Sexual Lives. BJU International, v. 112, n. 2, jul. 2013, p. E177–85.

    Woolf-King, Sarah E. et al. Vaginal Prostate Specific Antigen (PSA) Is a Useful Biomarker of Semen Exposure Among HIV-Infected Ugandan Women. AIDS and Behavior, v. 21, n. 7, jul. 2017, p. 2141–46.

    Histórico de atualizações

    Versão atual (03 de maio de 2023)

    Revisão médica por Dra. Sameena Rahman, Ginecologista obstetra, professora assistente clínica, Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade do Noroeste, Illinois, EUA

    Publicação (18 de maio de 2023)

    Neste artigo